"Felicidade demais esconde tristeza."

Noto um excesso de felicidade em algumas pessoas. Indivíduos que não conseguem desperdiçar uma oportunidade de fazer graça. Utilizam as piadas com descaso, e costumam rir de tudo. Tudo pode ser engraçado em uma mente destinada a fazer rir. Uma frase bem colocada, uma resposta com a entonação certa ou até mesmo uma careta espontânea.

Não os acho bobos, fazem sem perceber. Utilizam o humor para esquecer os problemas da vida ao invés de encará-los, como uma defesa inconsciente, uma fuga intempestiva nos momentos de fragilidade.

No entanto, ao enxergar o humor como um tema e não um improvável inexplorado, conseguimos medir o inconsciente pelo consciente e torná-lo menos abstrato. Assim, facilitando o emprego do humor nos momentos apropriados, sem apelação. Sem exagero.

Um exemplo de felicidade exacerbada é a melancolia dos palhaços. É uma antítese simples, um sorriso triste. Algo feliz por fora, mas triste em essência. Talvez por este motivo existem tantas opiniões discrepantes sobre eles.
Postar um comentário