Como obter autoconhecimento


Todos os dias pela manhã escreva um diário do dia anterior. Nele escreva o que você fez e como se sentiu. Quando escrever que se sentiu feliz, faça mais vezes.

Caso o dia não tenha sido bom, tente entender o que aconteceu que não foi legal e trace um plano para não deixar acontecer novamente. 

Não adianta fazer isso apenas mentalmente. O Ato de escrever força o raciocínio completo da ideia. Além de externar para fora de si, tornando mais real. 




“Quando você ajuda alguém, faça pela sensação de felicidade que o próprio ato te dá. A vida é o momento presente.”



Li em algum lugar que crianças religiosas são menos altruístas que filhos de pais ateus. Interessante. As religiões normalmente ensinam que devemos ajudar os outros em troca de algum retorno de deus ou medo de alguma punição do universo. Mas, minha suposição é que a generosidade é inata.

Doar seu tempo ou objeto para alguém traz uma energia boa para quem doa. 

Não se deve fazer um favor esperando nada em troca. Esta é a frase mais repetida. Porém, discordo. A felicidade, por ter a capacidade e ajudar, já é por si só a sua “troca”. O próprio momento presente já se encarrega de tudo. 

Quando compramos um presente para alguém querido. Não devemos esperar nada de volta. O ato de presentear já é um presente. Não é um escambo, é um presente. Desapega do acontecido assim que terminado. 

Já passou, quanto mais vazia a mente, mais feliz.


*Algum lugar foi aqui.  



“When you play sports you live in that moment. That’s why it feels good.”



I’m sure you heard it one of secrets to happiness is to live in the moment. To be fully present. I agree. It’s not easy but when you do things with higher focus you do it better. And you make yourself proud from doing the best you can.

Playing sports makes that. You forget all problems and think only about the game. On the now. You have to be the most aware possible to play better. The body must be highly connected to the mind. Every movement counts.

It’s like meditation, you can’t let your mind drift. When you make a bad play, don’t let it own you. Accept it and re-focus on the new now. 

I believe that is one more reason that makes sports so important on every ones lives. Not being sedentary is very good, not only to your physical and mental health but also to your spiritual health.




“A rede social que só tem notícias boas e só pode falar bem dos outros.”



Notícia ruim dá mais ibope. A mídia sempre trabalhou focada no medo. As pessoas se acostumaram a divulgar histórias de atentados, mortes, tiroteio, roubo, corrupção, com uma velocidade e dramatização muito maior que notícias boas. 

Redes sociais deixam as conversas do cotidiano mais afloradas e escritas para todos verem. Consequentemente, as notícias de um país horroroso e pessimistas em relação ao futuro viraram onipresentes e influindo na noção de felicidade alheia. 

O povo não percebe, mas divulgar uma imagem que traz uma sensação ruim, resvala na imagem da pessoa. Não quero ser amigo de quem vê desgraça em tudo. Claro, se você também vê o lado ruim das coisas, então a sensação de pertencer ao mesmo grupo predomina. O botão compartilhar diz muito sobre você.

A quantidade de discursos revoltados só valida ainda mais a corrupção. Quanto mais se fala sobre, mais acontece. Sendo assim, deveríamos falar mais sobre bons exemplos de pessoas íntegras e assim a corrupção diminuiria. 

Por isso, imagino uma rede social que só permita pensamentos e notícias boas sobre a vida. Onde qualquer crítica fosse banida. Apenas ações e palavras positivas seriam permitidas. Pode parecer utópico, e é mesmo. 

É claro, que isso não significa que não existam momentos desagradáveis. Existem momentos bons e ruins e isso é viver. Só acho que se fosse um ambiente feliz, mesmo que seja online, seria um momento mais agradável do dia.


“Depois que dá errado, é fácil citar outra alternativa e dizer que seria melhor.”



Vou começar citando futebol. Sempre criticamos o atacante que perde o gol na cara, o zagueiro que errou a linha de impedimento, o juiz que marcou o lance irregular. Porém, criticamos sabendo o final da jogada. Temos a certeza do que não funcionou. É muito fácil imaginar tomando uma atitude diferente da realizada quando já se sabe qual não deu certo.

O Goleiro pegou o pênalti? Era tão simples bater do outro lado. Olha lá, a mão dele mexeu. Vendo no replay. Talvez o replay seja o grande problema que nos induz a voltar no tempo por um instante.

O tempo não pode ser revivido, na hora de tomar a decisão, não se sabe o que não vai dar certo. O futuro iminente é imprevisível. 

No futebol e na vida, não temos conhecimento suficiente para criticar as outras pessoas, não sabemos o que cada um passou até aquela decisão. Qualquer julgamento reflete o mundo de quem julga, não de quem é julgado, por isso não faz sentido.



“Adjetivos são espelhos. É idiota chamar alguém de idiota e é inteligente chamar alguém de inteligente.”



Pense em todas as vezes que xingou alguém, como se sentiu? Nervoso, furioso, fora de controle. Pense em todas as vezes que elogiou alguém, como se sentiu? Feliz, agradável, cordial.

Gostaria de ser uma pessoa de qual dos grupos? Gostaria de ser visto como uma pessoa de qual dos grupos? A imagem que passamos aos outros é a imagem que emanamos, temos total responsabilidade por ela.

Mesmo quando xingamos a TV, a seleção, o Galvão, nos tornamos pessoas pouco inteligentes e sem compreensão. Mandar para aquele lugar não vai mudar a realidade. Use argumentos.

As vezes um xingamento pode trazer um alívio momentâneo. Porém, não deve ser direcionado a ninguém específico. Nem a você mesmo. Sua imagem de si próprio também é muito importante. Nunca se menospreze, só piora a situação. Experimente acreditar ser um ser iluminado, predestinado a ser feliz. Parece idiota e presunçoso, mas é uma estimativa ingênua.

Elogie-se. Marque os momentos que fez algo que deu certo. Vivemos numa sociedade que dramatiza os momentos ruins, não seja esta pessoa. Foque no lado bom da vida.



“Pessoas nervosas e estressadas demais externam suas frustrações internas.”



Normalmente, pessoas estressadas são pessoas normais que aprenderam a liberar suas frustrações gritando e sendo negativas. Provavelmente por exemplos dos tempos de criança. Aprenderam que gritar mais alto ganha discussões. Cresceram querendo impor vontades na marra. Como não é possível sempre, não sabem lidar.

Passam a viver enxergando o mundo como sempre viram, escuro, tenso, inóspito. Injusto.

O problema é que tudo que acontece depois é consequência desta atitude inicial. A sensação inconsciente é percebida pelas outras pessoas que convivem. Respostas ríspidas são comuns e o ciclo continua.

Minha dica é tratar estas pessoas com ainda mais simpatia e compreensão. Elas estão tão acostumadas a serem rebatidas com fúria que quando são tratadas com mais calma se sentem até estranhas, sem entender muito bem o que aconteceu. Talvez continuem gritando, talvez não. Mas, não deixamos a energia destrutiva alheia nos incomodar.

Caso seja difícil manter a tranquilidade, lembre-se da frase do título. Sempre são frustrações internas que estas pessoas não aprenderam a lidar. Sinta-se bem por não ser você.